faz de conta que o que é, é!... avança o peão de rei.

...
o mistério difícil
em que ninguém repara
das rosas cansadas do dia a dia.

José Gomes Ferreira

Brel, sempre e eu... j'arrive!

Loading...

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Longa jornada para um regresso - 5

V

Retraite,
como "vacanças", como boulot, como sécurité, como maison,
palavras novas, coisas novas e novos sons.
E projectos e sonhos.
.
Logo logo 40 anos
a somarem-se aos pouco mais de 20 com que partira.
Era tempo de decisões,
decisões preparadas, mais sonhadas que pensadas.
.
Filhos e filhas encaminhados por caminhos seus,
uns em universidades e politécnicos por aqui e por ali,
alguns em Portugal, outros e outras fincando raízes em outros países,
era dele e dela, agora, a escolha de onde viverem,
… sem de vista os netos perderem!…
.
Voltar à terra, à aldeia,
ainda que com regressos frequentes às Franças e Araganças,
por tantas pontas e pontes lá deixadas,
por affaires não arrumados
por maladies e souvenirs.
.
Uma alegria calma e, por vezes, contrariada.
Tudo bem na saúde, capaz de agarrar de novo na enxada,
de ir ao campo de jornada,
mas por gozo, por desfrute.
Sedes guardadas para serem “matadas”
com a ajuda de amizades antigas,
em lanches por aqui e por ali,
em jantaradas oferecidas a familiares.
.
Mas algumas sombras!
A pena de ver a escola fechada,
o lugar de aprender para tantos e tantos,
e para ele dera muitos francos de contributo;
e ver partirem,
ou saber de abalada,
sobrinhos, de irmãos que por cá tinham ficado,
netos de companheiros das moças idades,
vizinhos com os anos que ele há mais de 40 tinha,
a partirem por caminhos que tinham sido os seus,
não “de salto” mas deixando mulher e filhos,
“vamos ali, já voltamos…”,
não para não irem à guerra
mas para lá por fora fazerem outra guerra,
a de sempre, a da luta pela vida,
a da luta contra o desemprego.
.
Muito mudara,
muito ele tinha mudado.
Mas tanta coisa continuava na mesma!
.
Pensava e sorria. Satisfeito.
... também com alguma tristeza
por a jornada ser tão dura e curta
para uma vida assim
... e tão curta.

1 comentário:

GR disse...

Um nostálgico texto de lembranças e afectos, muito bonito.

Bj,

GR