faz de conta que o que é, é!... avança o peão de rei.

...
o mistério difícil
em que ninguém repara
das rosas cansadas do dia a dia.

José Gomes Ferreira

Brel, sempre e eu... j'arrive!

Loading...

domingo, 31 de março de 2013

31 de Março de 2013

(...)

Debaixo de chuva… que não pára, nesta primavera diluviana.

&-----&-----&

Neste domingo de páscoa, primeiro (?) da primavera que parece ter perdido o comboio do tempo, esquecida na estação anterior, no inverno.

&-----&-----&

Mas a passarada veio pelas suas próprias asas.

&-----&-----&

E trouxe-nos a vida que se renova, apesar da chuva que nos inunda, por fora e por dentro.

quinta-feira, 28 de março de 2013

Saído do forno...

Tirado, agora mesmo, do final de um longo percurso nos dias de agora:

Longas horas têm os dias, muitos dias têm as semanas, de algumas semanas se fazem os meses e às dúzias de meses se fazem os anos, os anos somam-se em lustros e décadas, e muito curta é a vida para quem não a veja do tamanho de séculos e milénios.

quinta-feira, 14 de março de 2013

Desde o Jamor. Desde a Festa do avante! de 1978...



Era apenas um telefonema, um encontro.
Porque não? Porque sim!
*
Tinha sido, apenas, uma amizade comum, dois olhares, dois sorrisos, duas palavras em vozes agradadas, a troca dos números de telefone.
E foi, apenas, um jantar, uma troca de livros,
um escrever de poemas em toalhas de papel.
Também um contido contar mútuo de vidas e desencontros.
Das momentâneas solidões.
Começar de novo?

Foi apenas, naquela noite, uma indesejada despedida com esperança partilhada de breve reencontro.
Bastaria apenas um telefonema…
Que não tardou muitos dias!
*
Passaram, já, apenas 34 anos.
Desde aquele encontro, daqueles olhares.
Desde o Jamor. 

Texto para um blog (palavrapuxapalavra)
respondendo ao mote-desafio Era apenas