faz de conta que o que é, é!... avança o peão de rei.

...
o mistério difícil
em que ninguém repara
das rosas cansadas do dia a dia.

José Gomes Ferreira

Brel, sempre e eu... j'arrive!

Loading...

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

No país, na Eurolandia, no mundo (provisoriamente!?) às avessas

Lido e saboreado (com algum amargor...) em Eduardo Galeano (1940-2015):













De pernas para o ar
- a escola do mundo às avessas















..

... à janela!

(Alice no país das maravilhas
Lewis Carroll (1932-1998)

sábado, 28 de janeiro de 2017

palavras ao vento

Demorei tanto a convencer-me que tinha feito 80 anos que quando dei por mim já estava com 81!

Quem de si se esconde perde a juventude.

Quem o feio desalma os bonitos beatifica.


domingo, 15 de janeiro de 2017

ao correr do tempo

Tive sempre (muito) jeito para jovem
                irrequieto, irreverente e esperançoso
Durante décadas cá me safei como adulto
                resistente e "adúltero"... mas coerente
 Falta-me ­– desconfio…  -  a vocação para velho
                arrasta-pés, resmungão, desistente

domingo, 8 de janeiro de 2017

CENAS DA VIDA DOMÉSTICA (ficcionadas)

(QUASE) FEBRIL

A juntar a sinais e sintomas anteriores, ele espirrou três vezes seguidas. Com espalhafato. Embora contido.
Ela respigou. Contida, mas visivelmente. Ou oralmente, com resmungo.
E, em voz alta, carinhosa (não tanto como a que usa para o gato…), decidiu
“… ´tás com gripe… vamos ver a febre…”.
Ele, enquanto metia o termómetro (não pelo lado que ela entendia ser o certo…), foi ripostando:
“… não sinto febre… estou apenas constipado, embora fortemente”.
E tossiu. Fortemente.
Sem mais palavras, passou o tempo necessário para a resposta do termómetro.
Que ele se apressou a ler, vendo o mercúrio entre os 36,8 graus e os 36,9 graus.
“36 e 8… não tenho febre!”, proclamou ele (um pouco) triunfalmente.
Ela pegou no termómetro, mirou-o, revirou-o com todo o cuidado, e concluiu:
“… mais para 36 e 9 que para 36 e 8… já se pode dizer que é febre… vais já para a cama, que eu levo-te um copo de leite quente com mel e um Ben-Uron!”

Ele foi.
Está melhorzinho. Da constipação…

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Levanta a cabeça... ou

Se
- ao baixares a cabeça -
dos teus olhos se soltarem lágrimas (artificiais ou não),
do teu nariz pingar muco ou ranho,
da tua boca escorrer baba ou resmungo;

se as tuas mãos frias
e os teus dedos incertos
não tiverem outras coisas para nos dizer
ou não sejam capazes de o fazer...

Se não conseguires levantar a cabeça
(sem lágrimas, ranho, baba),
as tuas mãos não ganharem calor,
e os dedos continuarem a errar as teclas...

... desiste
- temporariamente! -,
pousa a cabeça numa almofada,
e vai dormir uma sesta!

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Crónica de um amanhecer hesitante

Hesito, ergo existo. Olho lá para fora e não chove nem faz sol e, aqui ao lado, ela dedica-se às palavras cruzadas do avante! e protesta perante as gralhas (noutras horas do dia é face às do Jornal de Letras), depois da última etapa do seu pequeno-almoço que, de tão lauto, pequeno é que não é.
Hesito entre o voltar para a cama como me pede o corpo, ou começar pelo tratamento pingado nos olhos que pingam, ou tomar os “pózes” em copo cheio de água em preparação para a colonoscopia, ou banquetear-me com o meu pequeno-almoço que, de tão pequeno, nem de almoço merecia ter o nome após o hífen.
Hesito. Não me mexo de onde estou, e não tenho que me sói dizer porque calo (ou surdino) as queixas que são minhas e não comento aquelas suas com que ela se antecipou, isto depois – ou pelo meio – de alguns trocos sobre coisas várias e a bela crónica lisboeta do Chico Mota dedicada ao Zé Pires, que não foi obituário porque de 2004 mas como que antecipada homenagem ao amigo que trazia a morte (ou o medo dela) consigo.
Hesito. Ainda esboço levantar-me de onde vejo os verdes ainda húmidos e cinzentos para ir mudar de roupa, mas para quê se, daqui a pouco, quando for hora de sesta, vou dar uso ao pijama que agora me convida à redeita imediata. Fico-me pelo esboço ou intenção de acção. Deixo-me ficar assim… pelo menos mais um bocadinho.
Hesito. Mas… tenho de me decidir porque o relógio não pára de medir e de me dizer o tempo que passa por muito que eu o queira quieto. Como me apetece estar.
Reajo. Avanço, decidido – é como quem diz… – para as coisas a fazer, que inadiáveis são e adiadas estão. Pela hesitação.
Por ordem: copázio de água com “pózes”, duas pequeninas torradas com chá açucarado, esta crónica de um amanhecer hesitante.
Aqui está ela.
Vamos ao dia que a manhã vai alta! Ainda de pijama… e pingos nos olhos.

Comecemos pelos mails e pelos blogs.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

arroubos sobre os rombos

Andámos dias proustianamente em busca da frase perdida. Acusando as idades do que não é mais que o papel destas: somarem anos, e SÓ um a um.
Depois, feliz da juventude recuperada pela memória, ela lembrou-se. Mas ele achou que não tenha sido bem assim. Ou que podia ser melhor...
Ficou assim (para memória futura):

Ele, o gato deles, de vez em quando esquece os rombos da juventude roubada e tem arroubos de arromba!... 
(é como nós, pensámos os dois) 
  

Recuperado ao acaso e por acaso

Todo o Mundo é Ninguém
ou Nada é Tudo
ou Tempo todo começa a ser Nenhum tempo

Todo o mundo: Estás pr’aí a estrebuchar…
Ninguém: Estou a ver se consigo…
Todo o mundo: A ver se consegues… só consegues é fazer-me rir… tristemente
Ninguém: Cala-te! Deixa-me… Deixa-me tentar… Deixa-me ver se consigo.
Todo o mundo: Então não havia de deixar… claro que deixo… Mas Ninguém me deixa rir? Ora essa… Todo o mundo deixa que Ninguém tente lá à sua vontade.
Ninguém: … mas se Todo o mundo me ajudasse…
Todo o mundo: Isso não! Nem penses...era só o que faltava… Todo o mundo a ajudar Ninguém… Tens cada uma! Ajudar-te?! A tentar o quê? Com quem? Para quem? Não vais conseguir Nada.
Ninguém: Contigo, com Todo o mundo talvez Ninguém conseguisse Tudo.
Todo o mundo: Comigo? Não contes com isso. Ninguém pode contar com ajuda. Todo o mundo tem mais que fazer…
Ninguém: O que é que tu, Todo o mundo, tens para fazer que te impede de ajudares Ninguém?
Todo o mundo: Nada. Mas dá-me muito trabalho. E que queres tu fazer?
Ninguém: Tudo… já te disse
Todo o mundo: Não tens tempo!
Ninguém: Tenho o tempo todo. Falta-me é a ajuda de Todo o mundo.
Todo o mundo: Pois é! Ninguém ajuda ninguém. E já não tens nenhum tempo. A culpa é só tua.
Ninguém: Eu sei! Ninguém carrega com a culpa de Todo o mundo. Nada consigo de tudo o que tento. O tempo todo já é nenhum tempo.

27.06.2003

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Já...agora, digo-te hoje o que tantas vezes te tenho dito... mesmo quando não o digo em voz alta e (en)cantada



"Compañera"

Patxi Andion en "Encuentro de Música Popular"

Duerme sin fin compañera y no sepas lo que pasa.
Duerme tu hijo en el sueño. Duerme sin miedo y sin dueño.
Ayer me daban dinero parra comprar mi silencio,
Por eso mientras tu duermes escribo hoy estos versos.

Muchos piensan que arrendé a los que pagan mi canto.
No les daré desencanto, más les diré lo que di
A los que tienen la plata:
Mucho susto y mucha lata.

No me arrienda la ganancia de mi canto en los salones.
Ni tampoco las razones del que presume pureza.
A mí me infunden tristeza,
Los que juegan de santones.

Me han pinchado por todas partes y por todas partes
Me han criticado el grito. Otros me dan y yo quito,
La importancia a mi guitarra, que las mentiras desdeña
Y a mis verdades se agarra.

Bien señores: se acabó el tiempo del acomodo
Y les he dicho lo que pasa y he sentido. No se ofendan,
no hay motivo, más ninguno se haga el sordo
que todos antes me oyeron y hasta algunos aplaudieron
cuando he cantado al amor.

No se olviden que el dolor, no calla quienes lo hicieron.

No cantaré compañera sino a la carne y al hueso,
Y dejaré las razones a los que saben de eso.
No venderé mi guitarra, no la ganará el silencio, ni el interés,
Ni el desprecio, mi canto...mi canto no tiene precio.

Guarden su oferta señores, están perdiendo su tiempo.
No me importa que se ofendan,
Se equivocaron de tienda,

Porque aquí nada está en venta.

O 38º de... "estarmos juntos"


PARA BÉNS
EM TEMPO DE (DE)VOTOS

Já tinha sido Setembro e Festa no Jamor,
ainda era Dezembro e 1978,
estavam , os dois, a dois dias de acabar o ano
(… ou de começarem já, já que tudo acabava)
e muito acabava na Venda Nova, no Algueirão.
Foi a 29, sem telemóveis mas comunicando,
ela com 31, ele com frescos 43, fresquinhos os dois.
Livros, pataniscas e João Pires branco,
“começar de novo?” perguntado em papel deste[i].
… e desejos de bom ano novo à porta da Venda Nova

Já tinha sido Setembro e Festa no Jamor,
ainda era Dezembro e 1978,
onde ir eu passar o ano se ela fora a Ourém,
por acaso (?!) a casa amiga comum?

Estamos neste 29 de Dezembro,
em que se fazem 38 anos de estarmos juntos,
neste 29 de Dezembro de 2016 que será o 39º a nós

Vai um brinde?






[i] de toalha de mesa!