faz de conta que o que é, é!... avança o peão de rei.

...
o mistério difícil
em que ninguém repara
das rosas cansadas do dia a dia.

José Gomes Ferreira

sábado, 13 de julho de 2019


COMO É QUE CADA UM PODE SER TÃO DOENTIAMENTE EU 
                                                                                     E ESQUECER OS OUTROS?!

Um dia assim


25.06.2019

Separam-me anos-luz de gente com que convivo dia-a-dia!

&-----&-----&

Gente que é minha contemporânea, conterrânea, co-espacial, do mesmo tempo e lugar…

&-----&-----&

vizinha mas em infindas léguas à distância do que eu sei, e eu nas lonjuras do que essa gente sabe,

&-----&-----&

… e também do que são as vidas, ou dos viveres dessa gente.

&-----&-----&

Do que são as nossas vidas tão próximas, tão comuns… e nós tão estrangeiros uns e outros, essa gente e eu.

&-----&-----&

E tão nós, e tão sós!...,

&-----&-----&

tão do mesmo espaço e tempo, lado-a-lado, ombro-com-ombro, por vezes juntos nossos corpos, tão corpo-a-corpo e tão separados nós…

&-----&-----&

Todos tão iguais na concepção, no nascer, no morrer.

&-----&-----&

Nos risos, nas lágrimas, no que nos faz chorar e rir.

&-----&-----&

Sempre eu-sou-os-outros, o-outro-e-eu-somos… nós.

&-----&-----&

Que faço eu?,

&-----&-----&

escrevo – faço, edito, distribuo – livros para os outros lerem, livros que os outros não lêem ou que nem sabem que foram escritos.

&-----&-----&

Que digo nos livros?

&-----&-----&

Digo o que julgo ser, conto como penso ter chegado ao que sou, atrevo-me a projectar que iremos ser, com o que quero que seja o meu contributo.

&-----&-----&

Foi o dia em que fui buscar as histórias ante(s)passadas à tipografia, algumas das histórias antes passadas em família e com amigos.

&-----&-----&

Tem, sempre, um pingo de emoção,

&-----&-----&

mesmo que não seja a enxurrada que já foi e pode voltar a ser…

&-----&-----&

Já o dei à co-autora (quase… por tão grande a ajuda),

&-----&-----&

à Rosa, ao Zézito (do "Galinha"), ao Carlos/Susana, já me faltam poucos para esgotar a edição.

&-----&-----&

E… adiante…

&-----&-----&

Tive uma manhã de eficácia após uma noite… esquisita e curta – apaguei a luz às 2 levantei-me não eram 8! –

&-----&-----&

… há qualquer coisa que não está a funcionar mas o certo certo é que devo dar-me por muito satisfeito por ainda haver algumas coisas que funcionam.

&-----&-----&

Foi curiosa a reacção do Zé “Galinha”… a aliciar-me para colaborar num estudo sobre o Zambujal, ao que parece em gestação no seio da catequese.

&-----&-----&

É uma ideia interessante para o Centro de Documentação, em colaboração (como?) com a tal da catequese.

&-----&-----&

Andei à procura de coisas… para recomeçar a entrevista e outras cousas.

&-----&-----&

Está bem encaminhado!

segunda-feira, 20 de maio de 2019

Lembranças...

De um papel ao acaso

O homem em velho sido ficou só.
De súbito, 
ela fora a correr acorrer a um chamado.
a um miado, a um a pêlo.
O homem ia dizer qualquer coisa,
sobre que discorria lentamente,
sobre um filme, sobre a dolce vita,
a propósito dos ilúcidos envelhecimentos.
Embuxou,
e bebeu um trago já,
já tardio...
Pôs-se, sozinho, a conge minar...
e engatilhou uma frase:
fui posto abaixo de gato,
que desacgato,
que desgoasto!  


que saudades do Mounti!

quarta-feira, 8 de maio de 2019

AQUI, HOJE


Cada luta é parte de uma outra-a-mesma luta. 
A minha luta é a tua luta 
         ainda (pois!, ainda...) que tu o não saibas 
         mesmo que lutes contra a que é a nossa luta.

aqui,
por querer fugir ao gongórico
(ao rebuscado, ao pretensioso)
hoje,

porque a actualidade m'o pede
porque não sou capaz de calar!

sexta-feira, 3 de maio de 2019

passo-a-passo

Passo-a-passo

A cada passo me encontro,
a cada passo me desencontro

Passo adiante…

Passo nesta jogada?
NÃO!, nunca!

Dou o próximo passo!
De encontro?, de desencontro?
de caminho a fazer!

domingo, 28 de abril de 2019

Mesas ao lado...

Ele há cada cretino...
este, ali de perfil,
convencido e cheio de si,
isto é, VAZIO

a falar de Salazar e da 2ª guerra,
de Goa, e de Dadrá e Nagar-Aveli

Fala, fala, fala
     e bate com a mão na coxa...
Pode (será possível?) estar a dizer coisas certas...
     .... é um cretino, um velho tonto!

Um casal jovem
face a face
que não se olham nos olhos
que não se vêem
que dedilham 
(cada um de seu lado da mesa)
o seu  telemóvel...

Porquê?, porque razão?... perguntas tu....

... mas para tudo são precisas razões?
Neste  tempo sem razão,
neste tempo em que o tempo foge 
e a razão esmorece...

quinta-feira, 25 de abril de 2019

Por aqui passando...

Por onde tenho andado?
Que tenho feito?
que aqui nada tenho deixado...

Por outras ficções,
puxando outros cordéis,
vivendo outras/a mesma vida.
(que outra não há!)

terça-feira, 1 de janeiro de 2019

"2019 - 1º dia

o que eu teria escrito na toalha de papel...
se não tivesse almoçado (opiparamente...) em casa:

ESTE É UM TEMPO TÃO TÃO DESEQUILIBRADO
QUE SÓ OS DESEQUILIBRADOS (OU EQUILIBRISTAS?...)
PARECEM EQUILIBRAR-SE!

sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

Serei?...


Sou um cidadão comum,
cidadão como um,
que aprendeu com a vida
a ser apenas e tudo isso:
um cidadão comum,
como um e como todos.

Sou um cidadão comum,
cidadão como todos
os de antes e os de depois,
os de antes de eu ter sido
e os de depois de eu ter sido
este cidadão comum.

Como todos e como cada um,
ou seja (se for...),
todos e cada um
de antes de eu ser,
enquanto sou,
e depois de eu ter (s)ido.