faz de conta que o que é, é!... avança o peão de rei.

...
o mistério difícil
em que ninguém repara
das rosas cansadas do dia a dia.

José Gomes Ferreira

Brel, sempre e eu... j'arrive!

Loading...

segunda-feira, 29 de março de 2010

Histórias ante(s)passadas - Rua Possidónio da Silva

Na cadeia, nos idos tempos do Aljube, Caxias, Peniche e mais tarrafais, contava-se uma estória que o tempo veio moldando na minha memória, e que talvez nem se tenha passado. Ou que, naturalmente, não se passou assim.
.
No começo do interrogatório, o chefe de brigada entrou na sala quadrada com a mesa e as duas cadeiras, preparada para a tortura do sono ou outras, e usou as por vezes "falinhas mansas", civilizadas, de tenteio.
- "Nós não fazemos mal a ninguém, ao contrário das calúnias e coisas que vocês propagam. Até vos queremos ajudar... e etc. e blá, blá, blá, blá. Só queremos esclarecer umas coisitas. Que aliás sabemos... Nós sabemos tudo, mas gostamos que confirmem. Para vosso bem. Depois... é só assinar o auto e ir para casa. Vamos lá a ver... Qual era o seu pseudónimo?"
- "... o meu quê?..."
- Mau! Não comece com fitas. Aquele nome que vocês usam lá no partido para se esconderem uns aos outros, e de nós, da polícia... Vá lá... para cá o pseudónimo..."
- Sei lá o que é isso... a única coisa parecida com isso que conheço é o nome de uma rua, e não é pseudónimo é Possidónio da Silva*, e julgo que foi um arqueólogo do século XIX...
.
Parece que o interrogatório começou logo a correr mal, pois os pides passaram de imediato da conversa civilizada e introdutórias a outros métodos. Nada mansos.
__________________________________
* - Possidónio da Silva (1806-1896), fundador em 1863 da Associação dos Arquitectos Civis e Archeólogos, tem rua (com busto) em Lisboa, na freguesia de Santo Condestável.

3 comentários:

Justine disse...

Ah, o sentido de humor faz sempre muita falta:)))))

samuel disse...

Se não ríssemos... nunca teríamos chegado vivos até aqui...

Abraço.

Anónimo disse...

Agradece-se a recomendação.
Sim, é necessária uma certa presença de espírito, alguma ironia fina, vivendo a vida momento a momento. Nessas circunstâncias nunca se sabe o que vem a seguir.

AM