faz de conta que o que é, é!... avança o peão de rei.

...
o mistério difícil
em que ninguém repara
das rosas cansadas do dia a dia.

José Gomes Ferreira

Brel, sempre e eu... j'arrive!

Loading...

domingo, 7 de julho de 2013

Este tempo (e escrita) só pode ser de ficção... e de cordel!

Estória de uma gralha

«O senhor ministro, lider de partido, ex-jornalista-director de jornais para intrigar, comprador de submarinos por forma que - lá fora... - leva outros a tribunal, com passagem por universidades novas e novas universidades, malabarista costumeiro e contumaz, puxou os punhos da camisa, ajeitou o nó da gravata e a banda do casaco, pigarreou e ditou, com o seu ar imperativo, para a secretária ou secretário  favorito:

"... sendo assim, tomei a decisão clara e revogável de..." 

A secretária (ou o secretário?), embevecida/o com a pose e a pompa da circunstância e a postura imperiosa ou imperial, teve um momento de desconcentração, de que logo recuperou, e escreveu:

"... sendo assim, tomei a decisão, claro irrevogável, de..."

Tudo se explica, e comprova como um pequeno pormenor pode mudar os rumos da História... e reforçar a desacreditação de quem já não tinha credibilidade nenhuma.»


A propósito, ou a despropósito,
lembrei-me de como começa
a História do Cerco de Lisboa do Saramago.