faz de conta que o que é, é!... avança o peão de rei.

...
o mistério difícil
em que ninguém repara
das rosas cansadas do dia a dia.

José Gomes Ferreira

Brel, sempre e eu... j'arrive!

Loading...

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Página de "dias de agora"

Nos “50 anos…” deixei aqueles três nomes - Álvaro, Graça, Saramago - como minhas referências históricas, porque na História estão aqueles três homens que conheci e com quem convivi.
E, como me lembrei enquanto decorria a sessão no Conquistas da Revolução, a eles deveria ter juntado o nome de Vasco Gonçalves.
Porque a nossa luta, na associação a criar, é de evitar que um homem com aquela dimensão histórica (e humana, se não é redundante...), e com a enorme importância que teve na nossa História, seja desta apagado, ou que nela apenas fique como insultuosa caricatura que dele querem traçar aqueles que o não conseguem apagar. Como se não tivesse existido, ou nenhuma importância tido.
Acrescentei, agora mesmo - hoje -, o José Gomes Ferreira, que apenas conheci de ler – e de ver ao longe com os seus longos cabelos brancos e ar bom e de poeta –, mas que, ao “descobrir” os seus Dias Comuns (vão no 5º volume), foi como se tivesse vivido com ele o que vivi enquanto ele escrevia o tempo e os acontecimentos que ambos vivemos. Com 35 anos de distância entre nós, vivendo o mesmo tempo e os mesmos acontecimentos. Que ele me fez reviver como que iluminados pela sua cultura, lucidez e militância. 
E, depois dessa “descoberta” que a estes “dias de agora” me trouxe, a redescoberta da “memória das palavras ou o gosto de falar de mim” (que título!) e da “imitação dos dias” (que título!).
São os meus homens históricos!

3 comentários:

Justine disse...

Todos eles merecedores de respeito e admiração, e grandes exemplos de honradez e humanidade! Ainda os há, nos dias de agora!

Jorge Manuel Gomes disse...

j

Jorge Manuel Gomes disse...

Sem dúvida "Justine"!
E eu tenho o previlégio de conhecer um desses "Homens Históricos".
Nós, seres humanos, necessitamos de "faróis" que nos guiem através do denso nevoeiro num mar perigoso e que nos conduzam a bom porto.

Amigo Sérgio, um grande abraço!

Jorge